Pages Menu
Â̂ߋ Sede Central Izunome Izunome Group
Categories Menu

Postado on 25/jun/2018(seg)

COMUNICADO OFICIAL AOS MEMBROS

COMUNICADO OFICIAL AOS MEMBROS

Este conteúdo está disponível em: ja日本語 enEnglish

Print Friendly, PDF & Email

25 de junho de 2018
(revisado em 4 de julho)

COMUNICADO OFICIAL AOS MEMBROS

Destituição de Kyoshu-Sama e sua expulsão do Solo Sagrado pelo
grupo Kobayashi e MOA Toho no Hikari

O senhor Yoshiyuki Nagasawa (MOA Toho no Hikari), que se proclama presidente e representante da direção executiva da Igreja Mãe, encaminhou a Kyoshu-Sama um comunicado no dia 22 de junho de 2018 em que diz que a referida diretoria executiva anulou a investidura de Kyoshu-Sama (Yoichi Okada, neto de Meishu-Sama) como Líder Espiritual da Igreja Messiânica Mundial.

Nesse mesmo dia, o filho de Kyoshu-Sama e bisneto de Meishu-Sama, o senhor Masaaki Okada e sua esposa, a senhora Mami, também receberam um comunicado de que haviam perdido o direito de fazer parte do conselho da família Okada. É possível que, nos próximos dias, façam o mesmo com a senhora Mayumi, esposa de Kyoshu-Sama.

Dois dias depois, no dia 24 de junho, foi emitido um comunicado em nome da Igreja Messiânica Mundial – Igreja Mãe a todos os membros, comunicando sua decisão de afastar Kyoshu-Sama do cargo de Líder Espiritual.

Além disso, as pessoas que se autodenominam diretores da Igreja Messiânica Mundial – Igreja Mãe ordenaram que, a partir do dia 24 de junho, devido à anulação da sua investidura como Kyoshu-Sama, ele e seu filho, o senhor Masaaki, fossem literalmente “despejados” de seu próprio escritório, o Shitsumuto (Gabinete do Líder Espiritual). Factualmente, esses indivíduos cometeram o ato violento de expulsar todos os membros da família Okada da Igreja Messiânica Mundial e do Solo Sagrado.

Por que pessoas que não reconhecem Kyoshu-Sama como Líder Espiritual, e que o expulsam de seu próprio escritório, têm o direito de cometer tamanho ato violento?

1. A decisão unilateral de diretores que não foram reconhecidos por Kyoshu-Sama

Em primeiro lugar, o senhor Yoshiyuki Nagasawa não recebeu o reconhecimento de Kyoshu-Sama que é exigido pelo estatuto da Igreja Messiânica Mundial. Portanto, ele não está na posição de se proclamar presidente ou representante da diretoria executiva.

Ao mesmo tempo, o senhor Shigehiro Yokoyama (MOA Toho no Hikari), o senhor Hayashi Nakai e o senhor Koichi Sakakibara também não receberam o reconhecimento de Kyoshu-Sama.

Ou seja, uma pessoa que legalmente não está apta a assumir o cargo de presidente, convoca uma reunião de diretoria, composta por pessoas que, igualmente, não estão aptas legalmente para assumir cargos de diretores executivos, e por fim, alega ter anulado a investidura de Kyoshu-Sama.

Gostaríamos que prestassem atenção: será que o suposto “novo Kyoshu” que, a qualquer momento, devem escolher de forma ilegal, vai dar o reconhecimento ao presidente e outros diretores da Igreja Mãe? Se por acaso ele o conceder, então significa que, até então, eles não tinham a legitimidade para assumir cargos de presidente e diretores, e essa será a maior prova de que existiram problemas nesse processo.

Em relação aos inúmeros atos absurdos que cometeram até então, mesmo que utilizemos ensinamentos e explicações jurídicas, ou expliquemos sobre senso comum ou autocontrole, nada disso vai surtir efeito. Contudo, suponhamos que eles tenham sido empossados em seus cargos conforme o estatuto e os regulamentos. Mesmo assim, segundo os Regulamentos da Família Okada, não é possível anular a investidura de Kyoshu-Sama apenas com a determinação da diretoria executiva da Igreja Mãe. Fica claro, portanto, que houve problemas legais em todo processo de anulação da investidura de Kyoshu-Sama.
Apesar disso, eles afirmam no documento de 24 de junho, intitulado “Comunicado sobre a decisão de pedir o afastamento do senhor Yoichi Okada da função de Líder Espiritual”, que tal decisão, do ponto de vista jurídico, significa que a diretoria da Igreja Mãe, por unanimidade, deliberou por “anular” a “investidura do Líder Espiritual”. Fazem tal afirmação como se eles estivessem cumprindo com as leis.

Isto é um parecer absurdo! Tal deliberação não tem efeito legal e, futuramente, isso será esclarecido nos tribunais de justiça.

Acrescentamos que, no mesmo documento, eles se propõem a “dedicar-se com a máxima sinceridade no restabelecimento da ordem dentro da Igreja”. No entanto, foi a própria MOA Toho no Hikari quem começou tudo isso, ao espionar Kyoshu-Sama. Em seguida, a diretoria centralizada no Sr. Kobayashi violou os direitos humanos e cometeu assédio moral em relação aos funcionários que apoiam Kyoshu-Sama, ao tentar obrigá-los a assinar um Termo de Compromisso, ao usar meios escusos para forçá-los a pedir demissão ou ainda, divulgar matérias difamatórias e prejudiciais à imagem de Kyoshu-Sama etc. Ou seja, para eles “máxima sinceridade” consiste nessa situação caótica que a Igreja se encontra.

Todos os membros, sejam eles ligados ou não, à Sede Central Izunome, compreendem perfeitamente que não foi isso o que Meishu-Sama nos ensinou sobre sinceridade.

É o mesmo que ouvir eles dizerem “estamos nos empenhando para apagar o fogo”, apesar de eles mesmos terem sido os causadores do incêndio. Que atitude vil! Pedimos que todos tomem cuidado com os atos e pronunciamentos futuros por parte deles.

2. A postura da MOA Toho no Hikari e do grupo Kobayashi de tratar levianamente os ensinamentos

Atualmente, eles enviam vários documentos para os membros e ministros da Igreja Izunome e da MOA Toho no Hikari, citando trechos de ensinamentos. Com isso, eles intencionam negar o conteúdo das orientações de Kyoshu-Sama.

O resultado do estudo feito por eles é que Meishu-Sama “não cita termos que dão ênfase especial ao cristianismo”. E por isso, criticam Kyoshu-Sama afirmando que suas orientações têm característica Cristã.

Certamente eles não leram os ensinamentos em que Meishu-Sama diz que a “a Igreja Messiânica irá atuar em consonância com o cristianismo” ou que “a Igreja Messiânica se aproximará muito do cristianismo”. É possível que eles não tenham visto os salmos sobre Messias ou sobre Cristo, que Meishu-Sama nos legou.

Se eles querem falar sobre doutrina, então eles precisam estudar mais a fundo os ensinamentos. Sentimos pena ao ver a postura da MOA Toho no Hikari e da diretoria do Sr. Kobayashi, que, como membros de Meishu-Sama, tratam de forma leviana os ensinamentos.

Em qualquer caso, as atividades da MOA seguem por um rumo basicamente diferente da doutrina e dos ensinamentos. Isto por si só comprova sua própria postura de tratar levianamente Meishu-Sama e seus ensinamentos. É evidente que eles não têm o direito de julgar o conteúdo das palavras de Kyoshu-Sama e sequer têm qualificação para falar sobre a doutrina.

Segundo os estatutos da Igreja Messiânica Mundial, o senhor Yoichi Okada, o legítimo Kyoshu-Sama, é a pessoa que está na “posição que herda a sagrada obra de Meishu-Sama”. Quem é capaz de afirmar que “as orientações de Kyoshu-Sama contradizem com os ensinamentos” ou “as palavras de Kyoshu-Sama são heresias”? Será que a diretoria executiva da Igreja Messiânica Mundial – Igreja Mãe tem esse direito e condições para fazer isso? Obviamente, ela não tem nada disso.

3. A violação dos direitos humanos que não ocorreu

A Igreja Messiânica Mundial – Igreja Mãe alega que Kyoshu-Sama e sua esposa violaram os direitos humanos. Acusá-los de terem violado os direitos humanos é uma acusação gravíssima! Se isso fosse verdade, seria um problema que deveria ser analisado por terceiros (Ex: Tribunal de Justiça), e não por pessoas que intencionam excluir Kyoshu-Sama. No entanto, de forma tendenciosa, apresentam tamanha calúnia sem mostrar uma única prova concreta e objetiva. Teria isso outro motivo, senão tentar derrubar Kyoshu-Sama?

Por outro lado, está muito clara a espionagem que a MOA Toho no Hikari tem feito durante muitos anos a Kyoshu-Sama e sua esposa. Isto sim, é um fato contundente que possui evidências e provas concretas! Isto sim, é uma violação dos direitos humanos! Todavia, ao ver indivíduos como eles acusando, unilateralmente, Kyoshu-Sama e sua esposa de violação de direitos humanos, somos obrigados a pensar que isso não passa de uma manobra para esconder a espionagem que eles mesmos fizeram, que é de fato, a verdadeira violação dos direitos humanos.

4. A escolha de forma ilegal de um Kyoshu “marionete” que não tem ligação consanguínea com Meishu-Sama

Evidentemente, dentro em breve, eles irão escolher outra pessoa que substitua Yoichi Okada, o legítimo Kyoshu-Sama, como o novo Líder Espiritual. Ao criarem um Kyoshu “marionete”, eles acham que serão capazes de receber dessa “marionete”, conforme a sua conveniência, o reconhecimento e aval que, originalmente deveria ter sido recebido de Kyoshu-Sama, para poder legitimar várias ações como: alterações no estatuto e nos regulamentos da Igreja Messiânica Mundial, a posse de um novo presidente e diretoria executiva da Igreja Mãe, a posse do senhor Kobayashi como representante da diretoria executiva da Igreja Izunome, a qualificação sacerdotal dos ministros etc.

Entretanto, como foi citado há pouco, se por acaso, eles receberem o “reconhecimento” vindo desse Kyoshu “marionete”, para assumirem os cargos de presidente da Igreja Mãe, de presidente da Igreja Izunome, e outros, então significa que, eles próprios admitem que, até o presente momento, eles atuaram usando de forma ilegal, os cargos de “presidente da Igreja Mãe” e “presidente da Igreja Izunome”. Por isso, prestem bem atenção em como eles vão se justificar sobre isso.

Mesmo assim, é bem provável que eles tentem obter perante o Ministério da Cultura do Japão, o reconhecimento da alteração do estatuto da Igreja Messiânica Mundial. Entretanto, já foram entregues mais de 40 mil assinaturas vindas não só do Japão, mas de vários países, referente ao abaixo-assinado contra a alteração dos estatutos e acreditamos que o Ministério da Cultura tratará com cuidado especial esse pedido de reconhecimento.

Para que eles possam escolher um Kyoshu “marionete”, primeiro é necessário alterar os regulamentos da família Okada. Há rumores de que será realizada uma reunião da família Okada no dia 26 de junho, mas a pretensão deles é alterar os regulamentos para permitir que qualquer pessoa, mesmo que não seja da linhagem consanguínea de Meishu-Sama, possa se tornar o Kyoshu, e por fim, escolher um Kyoshu “marionete”.
Acrescentamos que, segundo os regulamentos da família Okada, a reunião da família é convocada pelo presidente da Igreja Messiânica Mundial. Portanto, o senhor Nagasawa, que se autodenomina presidente, mas que não teve o reconhecimento de Kyoshu-Sama, não tem legitimidade alguma para convocar essa reunião.

Está claro que, com base nos regulamentos, somente alguém que seja da linhagem consanguínea de Meishu-Sama pode se tornar o sucessor do Trono de Kyoshu. Dentro da nossa religião, atualmente, o único que tem essa qualificação é o Sr. Masaaki Okada, filho de Kyoshu-Sama e bisneto direto de Meishu-Sama. Não existe outra pessoa, a não ser ele, capaz de se tornar o próximo Kyoshu-Sama.

Visto que tudo se tornou claro, o caminho que devemos percorrer daqui por diante também tornou-se óbvio: caminharemos juntos a Kyoshu-Sama e ao senhor Masaaki, que fazem parte da linhagem consanguínea de Meishu-Sama, que estão nos transmitindo a fé completamente nova ensinada por Meishu-Sama, que é a fé que nos leva a nascer de novo como um Messias. Assim, vamos servir na Obra Divina que adentrou em uma nova etapa!

Juntamente com toda a humanidade, e com todas as existências, vamos no unir ao nome Messias, que é uno a Meishu-Sama, para corresponder ao chamado de Deus, o verdadeiro Pai das nossas vidas, servindo assim, na verdadeira e sagrada obra de salvação da humanidade e construção do Paraíso Terrestre.

Michio Shirasawa
     Presidente
     Sede Central Izunome

Yutaka Kawatani
     Vice-presidente